Hellblazer – Congelado

Hellblazer – Congelado

Sabe, a minha primeira experiência com o Constantine foi o filme com o Keanu Reeves, logo que saiu no cinema (oh, sim, eu leio quadrinhos de fato não tem muito tempo). E nessa época eu não tinha o vício em fuçar tudo o que me interessa até os mínimos detalhes e descobrir mesmo do que se tratam. Eu me conformei com o filme e aquilo estava bom e suficiente pra mim, mesmo lendo diversas reclamações sobre a profanação da personagem principal de Hellblazer que não tinha nada a ver com o Constantine do filme.

Ainda acho um filme muito bom, se vocês querem saber, mesmo depois desses anos todos (já fazem 5 ANOS, HALP). Mas né? A gente começa a crescer e ficar viciado em café, tem pouco sono e resolve ler quadrinhos e livros no trem e na cama antes de dormir, já que eu não tenho mais sono decente faz um tempo. Foi aí que eu me tornei mais curiosa ainda e mais viciada em informação.

Ok, aí estou em 2010 e a Panini lança um encadernado com duas histórias de Hellblazer. Muitos queridos por aí comentaram que o nível já foi bem melhor na época do Warren Ellis e na do Delano. Pois bem, eu ainda não li. Estava me lembrando, acho que a única coisa que eu realmente degustei de Hellblazer é aquela história caótica que está em Sandman, “Sonhe um Pequeno Sonho Comigo”, escrita pelo Gaiman. Gostei demais, apesar de ser difícil de digerir e Constantine estar mais vulnerável que o normal nessa saga por estar ao lado do Sonho e por se deparar com sua mulher Rachel, em frangalhos.

John é um cara perturbador, e só a sua ilustração nas páginas te dao uma inquietação ridícula, principalmente por causa daquele sorriso cínico. É a típica personagem que embanana a sua cabeça, que é necessário ler e reler pra tentar entender.

A primeira história de Hellblazer – Congelado é “Morto e Enterrado”. Não é mais do que um dia normal de John. Pra variar está no bar prestando atenção ao caos sutil ao seu redor. E nessa prelúdio que ele descobre seu próximo destino, para assim chegar em “Congelado”.

Parado no meio de uma tempestade de neve, os fatos ocorrem dentro de um bar de estrada, que serve como refúgio pra se aquecer. E a violência e a desgraça sempre acontecem perto de Constantine, é incrível. Mas devo dizer que ele também adora provocar e é bem petulante. Se você gosta de histórias realistas mas com um toque meio espiritual, Congelado é bem bacana.

E pra finalizar, o último arco do encadernado é “Almofadinhas e Ingleses”. Uma viagem ao passado punk e malandro de Constantine, e sua própria influência nos fatos. É bem mais engraçadinha e inconsequente que o tom normal exatamente porque é uma história fora do contexto do que conhecemos do Constantine, só me pergunto porque está nesse encadernado. Aparentemente não tem relação nenhuma com o Congelado, então fiquei sem entender.

Por fim: Congelado é muito bom. O arco é um tapa na cara no que se diz respeito a fé, principalmente. Só não é melhor por algumas coisas sem explicação (como Almofadinhas e Ingleses estar ali). A impressão do encadernado é muito boa, a minha veio sem nenhuma falha, sem dizer que a capa mais durinha cumpre bem a sua função e está firme e forte depois de alguns dias na minha bolsa. Vale a pena ter pra quem gosta 🙂

Comentários


3 thoughts on “Hellblazer – Congelado”

  • Comentários sobre o encadernado mto bem escrito! Parabéns!

    Acho que a história "Almofadinhas e Ingleses" está nesse encadernado meio q como um "easter egg" pra quem acompanha a revista mensal Vertigo.

    Quando li a última história de Hellblazer na Vertigo 4 fiquei com a impressão de que algo parecido com o que aconteceu na história nostalgicamente punk, que completa o encadernadom, iria acontecer.

    Agora só esperar concluir o arco e ver no que vai dar. =D

  • Oi Larissa…

    Muito bom o seu post. Ainda não conhecia o seu blog, mas hoje tive a oportunidade de ler um pouquinho. Achei por acaso.

    Adorei o conteúdo…não é sempre que você encontra uma menina com "nerd feelings" por aí..ainda mais uma bonita e que escreva bem sobre esses assuntos.

    Afinal, isso é bem uma definição de nerd: "o vício em fuçar tudo o que me interessa até os mínimos detalhes e descobrir mesmo do que se tratam".

    Bem…assim como você, gosto de Hellblazer, mas só peguei gosto pela coisa mesmo por causa do filme…que eu achei bom e me fez querer conhecer mais o personagem.

    E estou gostando da história de Hellblazer na revista Vertigo. Acho que é um ótimo retorno depois do cancelamento da Pixel Magazine.

    Parabéns pelo blog…já sou um seguidor!

    =)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *