Pokémon Go: as quatro implicâncias preferidas do brasileiro

Pokémon Go: as quatro implicâncias preferidas do brasileiro

Pokémon Go é um dos jogos mais aguardados dos últimos anos entre os brasileiros e é por isso mesmo que as coisas já estão bem quentes nas redes sociais.

48 horas depois de seu lançamento, o joguinho da franquia Pokémón – abreviação inglesa para “monstros de bolso” – já desperta os mais diversos sentimentos nos brasileiros. A galera está cada vez mais praticando as suas habilidades críticas. Qualquer elemento cotidiano é bombardeado, especialmente após o grave momento político dos últimos dois anos. É claro que isso não poderia passar incólume nesta situação inédita oferecida pelo estúdio Niantic Labs, desenvolvedora do game , mesmo com atraso no país.

pokemon go celular tela jogador

O Pokémon Go une pela primeira vez através do celular e em larga escala a experiência da realidade aumentada e da geolocalização integrada a uma plataforma digital customizada com uma franquia extremamente popular no mundo todo.

Como pessoa que gostou do aplicativo e está se divertindo muito capturando os monstrinhos, senti a necessidade de expor um pouco do sentimento que tenho em relação as críticas feitas a esse jogo. Como sempre, eu estou exausta de ver tanta gente criticando algo que está no hype só pra mostrar que é o diferentão. E existem várias implicâncias que já inventaram para tal.

IMPLICÂNCIA 1: “Quem joga Pokémon Go é alienado”

Acho que, pra variar, o a chatice começa pelo argumento de que “esses joguinhos são coisa de gente alienada” ou “o mundo está acabando e vocês aí na tela do celular”.

Amigo, eu tenho más notícias pra você. Quando você diz ao seu colega que ele está alienado por jogar um algo como Pokémon Go você esquece de que provavelmente está usando uma rede social ou um app de mensagens para comunicar isso, o que não o faz muito diferente de quem joga no celular. Afinal de contas as maiores redes sociais do mundo – Facebook, Instagram, Twitter e Snapchat – são bombardeadas por publicidade e algorítimos tendenciosas que direcionam o conteúdo que você quer ver.

Todos os textos e críticas que fazemos na internet chegam até a nós através de ferramentas que manipulam o nosso ponto de vista o tempo todo, então é bom você tomar cuidado pra não morder a sua própria língua e acabar provando do próprio veneno.

O fato é que a alienação sempre é feita através dos veículos de em massa e por alguma razão as pessoas acham que isso mudou através das redes sociais e da internet. Ao contrário, a minha impressão é que só piorou mesmo, afinal de contas temos mais maneiras de sermos manipulados e vemos cada vez mais pessoas repetindo discursos prontos e pré formatados por ideias alheias.

Há até teorias da conspiração falando que o jogo foi feito para nos espiar o tempo todo, dentro de nossas casas utilizando a câmera e nossos dados de Geolocalização mas, novamente, tenho mais más notícias pra você: o Google faz isso e você sequer ficou sabendo.

IMPLICÂNCIA 2: “Quem joga Pokémon Go é um idiota sem vida social”

Um dos argumentos mais comuns e automáticos que vejo por aí é o fato de esse tipo de jogo diminuir o nível de interação social entre as pessoas por tira-la do que é a vida de verdade. As pessoas realmente não aceitam que os outros gostem de coisas diferentes e tenham estilos de vida que não sejam parecidos com os delas.

Talvez seja por isso que as pessoas se afastem desse tipo de gente insuportável.

É muito reducionista e mesquinho pensar que só por causa de um jogo as pessoas não tem amigos, não transam, não gostam de festas, não bebem e outras coisas que são consideradas muito adultas. No fim das contas, é só um argumento pífio pra se provar superior ao outro.

pokemon crianças reabilitação hostpitais
Criança se exercita em hospital com Pokémon Go

Mas, ao contrário do que parece, as pessoas estão interagindo mais com as outras através de um denominador comum, que é o Pokémon Go. Além de se exercitarem mais ao andar pela cidade, os PokeStops e ginásios ficam em áreas de convivência onde as pessoas se encontram pelo mesmo objetivo.

Além de tudo também existe um incentivo a competitividade saudável. Ok, às vezes eu acho questionável por fazer algumas pessoas passarem dos limites e apelarem as trapaças. Mas acho que vale inclusive ressaltar que a maioria dos jogadores são do sexo feminino, o que prova mais ainda que se trata de um jogo inclusivo e que as meninas estão dominando estes espaços também em pé de igualdade.

Mas para finalmente explicar para as pessoas que acham que não há vida social com Pokémon Go eu apenas deixarei o link de um vídeo emocionante. Ele conta a história de um garoto autitsta que conseguiu se abrir socialmente e sair de casa para jogar. Posso deixar esse exemplo também sobre crianças doentes que estão sendo incentivadas a caminhas no hospital para ajudar na recuperação.

Assim como ele, muitas pessoas com problemas emocionais sérios como ansiedade, depressão, isolamento social e outras mazelas do genero finalmente encontraram uma motivação e uma forma de conviver melhor em sociedade.

Já você que só fica fazendo comentários inúteis não está ajudando em bosta nenhuma.

IMPLICÂNCIA 3: “Quem joga Pokémon Go é infantil”

pokemon adulto maduro

Claro, é muito adulto da sua parte apontar o dedo na cara dos outros para dizer o que é maduro ou não. Pagar as contas dos outros você não quer não, né?

Sabe, vivemos um momento em que a nostalgia BERRA aos quatro cantos. Observem as franquias antigas como Star Wars, Star Trek, Os Caça Fantasmas. Elas estão cada vez mais presentes no nosso cotidiando e nos dando a sensação de que as boas memórias de infância nunca se foram. Mesmo os super heróis, que nunca saíram da cultura pop, estão cada vez ganhando mais espaço no cinema das mais variadas formas: seja com uma abordagem popular, violenta ou underground. O que dizer então das novas séries como Stranger Things que resgatam zilhões de influências do passado?

No que estes produtos de cultura pop se diferenciam do Pokémon Go nos termos de resgate da infância? Isso mesmo, nada.

Eu tenho pavor desses tempos em que vivemos que demonizam a volta a infância. Sério. Todo mundo tem necessidade o tempo todo de provar como é evoluído e sequer consegue aceitar que seu passado faz parte de você tanto quanto o resto e que não é errado celebrar ele de alguma forma.

Não tem problema nenhum gostar de desenho animado e super herói. De videogame. De pular corda. Essa é a parte mais mágica das nossas vidas e vocês insistem em querer destruir isso querendo destruir outras pessoas. Isso faz de vocês tão rasos quanto um pires.

Esse texto de um gringo, que foi traduzido neste link, mostra uma amargura e uma necessidade surreal de mostrar que o mundo é uma merda e não devemos nos render a magia de absolutamente nada. Cara, que tristeza ler esse cara forçando Marx pra imbecilizar os outros.

Não tenham medo de abraçar boas lembranças e curti-las sempre. Ok, só não vivam em função disso pois o equilíbrio é o segredo da vida.

IMPLICÂNCIA 4: “Quem joga Pokémon será assaltado”

Não que não exista uma parcela de verdade neste item, afinal de contas nas primeiras 48 horas do jogo já aconteceram diversos casos catastróficos como esse, esse esse.

Se você não joga, provavelmente não sabe que, todas as vezes que o jogo é carregado, uma mensagem aparece na tela falando pro jogador não jogar dirigindo, prestar sempre atenção em seu entorno e até mesmo não atravessar a rua olhando o celular. Os desenvolvedores estão cientes disso e deixam claro na utilização do app.

No entanto eu gostaria de dizer que a gente precisa de duas coisas: bom senso e parar de jogar a culpa no jogo, especialmente no caso dos assaltos. Se temos uma realidade violenta, ela independe do Pokémon Go.

O Datena ontem prestou um desserviço culpando as pessoas erradas pelos assaltos, no caso os jogadores. Justamente ele, formador de opinião e pessoa que supostamente conhece o mundo do crime, deveria cobrar das autoridades mais segurança para que as pessoas possam fazer as coisas que quiserem na rua em paz, sem correr riscos. Não é culpa de quem joga. Confira o vídeo abaixo:

Esse vídeo resume bem a chatice do brasileiro médio. Favor não ser essa pessoa. Muito obrigada.


Essa é basicamente a minha impressão sobre os chatos e os fatos. Eu ofereço a vocês esse link como resposta aos inconvenientes que estão atormentando a sua vida como resposta. É o mínimo que eu posso fazer 😉

Gostou? Não? Deixa o seu comentário! Esqueci alguma implicância? Fala aí pra mim que eu se eu curtir eu incluo como bônus na lista!

Comentários


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *