Who Watches the Watchmen?

Cinema

Parece até clichê nesta altura do campeonato escrever sobre Watchmen, já que estamos no centro do vulcão que essa história absurdamente fantástica é. Semana mundial de lançamente no filme, a bilheteria nos EUA só no primeiro dia foi de $25,135,000 (uma sexta feira, imagine ontem), críticas em sua grande maioria muito favoráveis.

Mas eu não vou escrever sobre o filme/hq, mas sim sobre a influência dessa obra de arte.

Eu sabia que Watchmen iria estreiar já faz bastante tempo, porém disse para mim mesma que não iria ler a HQ antes de ver o filme. Sempre me preocupei em me surpreender ou me decepcionar DEPOIS de ver o filme, enfim. Mas por insistência do Silas (que faz parte do Sketchtrash, acho ótimo) eu baixei as 12 revistas. Não que eu adore fazer download de hq, mas eu até procurei para comprar mas realmente não achei nada, não tinha. Depois disso perdi a culpa LOL.

Eu já esperava realmente algo diferente de Watchmen, mas não algo que desse um nó na minha cabeça. Sempre fui acostumada mais com mangás, sempre me dediquei mais a arte de quadrinho made in Japan. E nenhuma história se mostrou tão complexa como a que Alan Moore desenvolveu.

Durante as minhas férias forçadas, todo dia a noite eu lia uma revista. Só que eu não consegui ler uma vez só, eu lia, relia, voltava algumas páginas. Watchmen me marcou pela perspectiva sobre a vida diferente de algumas personagens. Perdi o número de contas sobre quantas vezes li sobre o passado do dr. Manhattan, sobre como o psicótico Rorschach se descobriu um psicótico de fato. A última revista então nem se fala.

No fim das contas só pederia ter tido um resultado: comprei a edição absolute de Watchmen e a aguardo para os primeiros dias dessa semana.

No meu Twitter eu já falei tanto sobre isso que deve ter gente que quer me matar já LOL.

Enfim, mas daqui algumas horas vai rolar um update aqui, já que eu estarei muy feliz assistindo o filme da HQ que virou minha cabeça. Não vejo a hora :D

[UPDATE – ATENÇÃO: CONTÉM SPOILERS DO FILME]

Eu só tenho uma palavra a dizer: FODA! Eu tive a oportunidade de assisitr sozinha, e posso dizer que o filme me deu a impressão de passar só meia hora. Eu não sei só se o público que não conhece Watchmen vai pensar assim, mas é uma questão de parar pra analisar e pensar sobre os diálogos e situações, coisa que muita gente tem preguiça.

Confesso porem que senti falta de algumas cenas, como o surgimento da máscara do Rorschach, algumas alterações eu estranhei mas compreendi que era necessárias para dar uma dinamizada na história, como a foto do Jon com a ex-namorada tirada no parque já estar com ele, e não é assim nos quadrinhos.

Fora isso, nem achei que o Snyder exagerou no slow motion, como o pessoal estava dizendo por aí. Perto de 300 parece até que esses efeitos eram naturais LOL.

Outra coisa bem peculiar é a trilha sonora, que, confesso, não é muito minha praia mas sei que muitas delas estavam na graphic novel e sei que foi um IMENSO respeito pela obra elas serem inseridas no filme.

Sobre os personagens:

Achei Comediante FODA, ele sentado ali na cama do Moloch, se na HQ eu achei surreal, no filme arrepiou a minha pele. A cena de estupro foi muito chocante pra mim, apesar de faltar a hesitação do Justiceiro Encapuzado na hora em que ele bate o comediante. Mas enfim, ele é um atípico badass, tão badass que mata o Kennedy, AHAHAH muito bom.

Rorschach digno de Oscar (como vi em vários lugares o pessoal comentando). E a cena final do Rorschach? Pqp, chorei. O ator colocou ali a alma dele MESMO, muito muito forte. sem falar na semelhança física perfeita. Espero que na director’s cut mostre a convivencia dele com o senhor da banca de jornal, era bem engraçado. E, claro, as melhores quotes da história são dele. Um puta papel.

Dr. Manhattan tem problemas com a boca na CG, mas o resto ficou perfeito (até a voz um pouco mais fina do que esperavam, acho que deu o tom de tranquilidade necessário pra ele). Eu me emociono com o Manhattan e o ponto de vista dele sobre o mundo e a forma atemporal dele narrar a própria história. Achei só que poderiam dar mais ênfase a vida dele antes de se tornar um integrante do Blue Man Group (LOL).

Dan, o Coruja, achei muito fiel mas nada espetacular. Talvez porque o Dan não tenha uma personalidade violenta ou polêmica, então no filme ele fica um pouco apagado perto dos outros. Um garoto sonhador perto de um sóciopata naturalmente chama menos a atenção, por exemplo.

Mas quando falamos de Espectral e Veidt ficou um pouco a desejar. Senti falta da drama queen Sally que eu vi nos quadrinhos, mas as cenas de sexo entram pra memória nerdiana. O Veidt não tem aquela cara de Gugu. Aliás o Veidt ficou meio moça demais, imaginava ele mais próximo de um Hércules, não essa androginia toda.

Sobre a parte mais polêmica: o final.

Sinceramente eu achei mais coerente e bem resolvido que o final da HQ. Talvez não seja tão criativo, mas funciona muito melhor pra rápida compreensão, além do fator drama. Senti falta de sangue e milhares de cadáveres, mas ok, o orçamento talvez não permitisse. E A BANDEJADA que o Coruja leva? CADÊ?? LOL. Mas ficou foda mesmo assim.

Enfim queridos, teria que assisitr de novo para falar melhor sobre essa obra de arte da cultura pop. Entretenimento inteligente, agora é a hora de dar um nó no cérebro, crianças 🙂

* essa resenha foi publicada no dia 8 de março de 2009, no meu blog pessoal.

Comentários

One thought on “Who Watches the Watchmen?

  1. Bem Larissa, eu fiz exatamento o contrario do que você fez, quando soube que Watchmen ia pro cinema eu ´´corri´´ pra ler antes, até encontrei as 4 edições pra vender, mas o preço tava injusto, ai li o scans. Devo confessar que não é a melhor HQ que já li, apesar de não ter me decepcionado. Não gostei de no filme esses serem super-humanos, rapidos e fortões, perdeu as caracteristicas que os tornava humanos. Mesmo assim o filme é bacana.Agora em termos de dar ´´nó no cérebro´´ ainda acho que Ronin de Frank Miller é a melhor historia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *