Os Mercenários

Cinema
os-mercenarios-logo

Eu não esperava muito de The Expendables. Realmente achava difícil que um filme que juntasse tantas estrelas em um só roteiro pudesse ser um bom blockbuster. Além disso, a expectativa ficou maior ainda por termos tantos elementos brasileiros no filme, e exatamente por isso saber muito sobre tudo antes do tempo certo.

The Expendables, ou Os Mercenários se você preferir, é um projeto totalmente idealizado por Silvester Stallone para resgatar a típica testosterona oitentista em tempos de sentimentalismo vampírico e brilhante no cinema. Pra você, que viveu as tardes de sua infância vendo a Sessão da Tarde na Globo, é realmente um alívio inexplicável que alguém tenha notado que falta um pouco de violência real no cinema. Eu acho muito importante essa parte, acredito piamente que filmes clássicos como Rambo e O Exterminador do Futuro formaram o caráter de muitos meninos e meninas da minha geração e da geração anterior a mim. Ok, fui muito tio-avô saudosista dos tempos em que as coisas eram boas e jovens não se exibiam na Twitcam achando isso normal.

The Expendables - Os Mercenários

Sly conseguiu reunir boa parte da nata do cinema de ação americano em seu filme. Jason Statham, Jet Li, Terry Crews, Randy Couture, Mickey Rourke e Dolph Lundgren fazem parte do time que tem que ajudar uma ilha a se libertar do regime de um coronel ditador. Diversas aparições épicas como a de Arnold Schwarzenegger e Bruce Willis também são pontos altos por serem quem são, mas não acrescentam nada demais a trama. Um trabalho e tanto não? Além disso temos a representante brasileira Giselle Itié como a mocinha da história.

O filme em si é deveras divertido. Não tem grandes frases de efeito e nem muitos momentos marcantes como costumavam ter os filmes de antigamente, mas pelo menos dá pra perceber que tentaram. E eu acho isso válido. As cenas de ação são ótimas e impiedosas, além do humor negro também me satisfazer na sua plenitude em um filme de ação. Não que seja o mais genial, mas me fez rir e isso é o que importa.

Destaque para Mickey Rourke em seu papel de sábio brucutu, o conselheiro da tropa de mercenários além de empresário do grupo, e para o doce Terry Crews e sua sutil arma que explode umas 60 cabeças. Giselle Itié também não faz feio, mas acho ela parecida com a Amy Winehouse, então essa pose de mulherão que seduz o Sly não conta. Aliás, o Sly está parecendo uma véia rica bombada, cheia de botox pelo corpo inteiro e maquiagem definitiva na cara.

Claro que aqui no Brasil o filme está sofrendo um boicote impiedoso, já que lá fora The Expendables arrebatou o primeiro lugar das bilheterias em seu final de semana de estréia e aqui tem poucas sessões dubladas em uma sala do cinema todo. O Sly realmente só fez nhacas com o Brasil: não pagou a O2 Filmes e fez piadas infelizes que, por mais que sejam pura verdade, doeram aos ouvidos extremamente patriotas do nossos país *cof cof*.

Mas o que importa é que este filme é uma tentativa de resgate aos bons tempos do cinema de ação. Ele pode pecar em muitos aspectos técnicos, como os efeitos especiais horrorosos e coisas completamente sem sentido no roteiro, mas quem está aqui pra ligar pra isso? É uma celebração a tudo aquilo que falta no cinema hoje em dia: homens malvadões de verdade.

Comentários

3 thoughts on “Os Mercenários

  1. Oi Larissa.

    Realmente, Os Mercenários é um resgate a um tempo onde as coisas no cinema eram mais simples e diretas. Nada de vampirinhos brilhantes e coisas do gênero. Era simplesmente porradaria desenfreada. Até mesmo as mulheres dos filmes daquela época eram fodonas (Linda Hamilton, Exterminador do Futuro).

    Não há como negar que os anos 80/90 foram um época ímpar para o cinema de ação e fico feliz que o Sly ainda se lembre disso!

    Ótimo resenha.

    Abs.

  2. Na verdade ele só não pagou a O2, como ainda deu 65 mil dólares a mais para a prefeitura daquela cidadela.
    O prefeito vai até construir uma estátua de tamanho real do Stallone heheheh
    A-do-rei o seu blog, vou disponibilizar o link dele no meu =D

  3. É, a produtora lá falou que que a O2 é que estava querendo dinheiro a mais do que foi combinado e que eles já tinham dado a mais em mais de uma ocasião. Isso é complicado, é o tipo de litígio que cabe só a um juiz mesmo resolver.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *