O que esperar do filme The Spirit?

Pra quem não sabe, o filme estréia dia 20 (sexta-feira agora) em terras tupiniquins. Então, vamos as expectativas!

Fiquei sabendo de Spirit quando vi o trailer no cinema [/desinformada]. E confesso que fiquei encantada, afinal, apesar de ser um sacrilégio, eu nunca li Spirit então não sabia do que se tratava. A música do trailer, o mulherio se derretendo pelo detetive, enfim. Se vocês notarem as reações das pessoas na sala de cinema ao ver este trailer, que é mais musical e que tem o enfoque em todas as belas moças, vai ver que o povo fica de queixo caído.

Como boa viciada que sou fui atrás de informação em todos os sites nerds-geeks-viciados-em-cinema-e-em-hqs. Então vamos a um breve resumo do que é Spirit original, criado por Will Eisner:

Depois de alguns trabalhos variados, como Sea Hawks e Sheena, rainha da selva, Eisner teve a idéia de criar um personagem completamente novo para as séries de domingo, não apenas mais um super herói de uniforme colorido, mas alguém que nem mesmo usaria roupas especiais para lutar contra os criminosos. Ele se vestiria à paisana, usaria uma máscara (a qual, anos depois, Eisner confessaria odiar desenhar) para ocultar sua identidade, um chapéu, luvas e… nada mais que pudesse identificá-lo como um combatente do crime.
The Spirit era uma história muito incomum. Denny Colt, sua identidade secreta, vivia num cemitério, tendo por fiel assistente um jovem negrinho, o pobre Ebony White. Ele não tinha poderes especiais nem apetrechos para ajudá-lo; ele não tinha nem mesmo um veículo próprio. Seu cartão de apresentação era uma pequena lápide e ele não vencia sempre ao final das histórias… The Spirit poderia ser definido como um cidadão comum lutando por seus direitos; sua vida era um pouco mais animada apenas porque… ele era um personagem de quadrinhos.

fonte: link

Ou seja, no contexto de quando essa história foi lançada na década de 40, dentro de um mundo cercado de guerra e falta de esperança, criar um herói que distoava da perfeição e super poderes dos outros realmente foi um marco. Mas além da personagem a abordagem dos quadrinhos de Eisner em Spirit foi bastante diferenciada, principalmente em relação a arte, dotada de sombras diferentes nos desenhos.

E basta olhar Sin City para ver semelhanças entre as obras de Eisner e de Frank Miller. Mas isso é normal, já que Frank Miller foi aluno de Eisner. Talvez seja por isso que ele se sentiu na liberdade de dirigir um dos grandes clássicos dos quadrinhos, afinal foi desenhado pelo seu mestre. Pena que Eisner não está aqui, a Morte já veio buscar ele [/Sandman], se ele estivesse será que ele permitiria?

Somando o fato de que Miller fez duas ou três histórias que foram bem adaptadas no cinema, e sempre acompanhou os processos de criação de perto ele já se achou experiente o suficiente para dirigir uma obra de tal importância por conta própria.

Então aqui cabem várias perguntas:

Será que cara só sabe fazer coisas próximas a Sin City no cinema?Será que mesmo com um elenco cheio de estrelas existe a possibilidade de falhar?

Os números das bilheterias na gringa não foram muita animadores pra uma história de super-heróis, as críticas então descascaram das atuações ao figurino.

Mas as reais conclusões sobre isso só posso realmente tirar quando ver o filme. E nós teremos um update aqui \o/ Em breve.

Comentários


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *